água intracelular e melhora vários tipos de câncer

Epigalocatequina-galato, ácido ascórbico, prolina, magnésio, cálcio, selênio, cobre e manganês são fortes estruturadores da água intracelular e provocam a inibição da proliferação, da invasidade e das metástases do câncer de pulmão, próstata, mama, pâncreas, bexiga, cérebro, testículo, mesotelioma, melanoma e fibrosarcoma.

Ou

Mistura de nutrientes estrutura a água intracelular e melhora vários tipos de câncer

junho/2008

José de Felippe Junior

“A água é a matéria, a matrix e a mãe da vida”
Albert Szent-Gyorgyi

“A estrutura molecular da água é a essência da vida”
Albert Szent-Gyorgyi

“A verdadeira causa das doenças e a MEDICINA ainda não fizeram as pazes. È porque a MEDICINA ainda é muito jovem. E o que dizer dos tratamentos ”
JFJ

“As enfermidades são muito antigas e nada a respeito delas mudou. Somos nós que mudamos ao aprender a reconhecer nelas o que antes não percebíamos”
Charcot

A água é a substância mais extraordinária, mais surpreendente e mais misteriosa do corpo humano. É o caráter anômalo da água que a faz a substância mais importante do nosso organismo. É a estrutura molecular da água a responsável pela vida. Sem água não há vida, como a conhecemos. (Felippe- fevereiro de 2008).

A molécula de água tão simples na sua composição (H2O) é muita complexa nas suas propriedades porque suas características químicas e físicas se comportam do modo mais anômalo, imprevisível e irregular contrariando a Tabela Periódica dos Elementos de Dimitri Ivanovich Mendeleev (1834-1907). Este comportamento anômalo se deve às pontes de hidrogênio: pontes água – água.

As pontes de hidrogênio são ligações atômicas do átomo de hidrogênio de uma molécula de água com o átomo de oxigênio de outra molécula de água formando “clusters” de vários números de moléculas ou (H2O)n, onde n é o número de moléculas de água ligadas pelas pontes de hidrogênio.

Para Lo e Huang os “clusters” de água são parceiros ativos em qualquer reação bioquímica que ocorra dentro dos organismos vivos. Estes “clusters” são creados pela interação de minúsculas quantidades de substâncias orgânicas ou inorgânicas com a água.
As pontes de hidrogênio com força randômica para mais ou para menos são necessárias no intracelular para :

1- estabilizar a conformação das hélices do DNA e do RNA o que permite manter a estrutura da molécula e a sua característica especial do enrolar e desenrolar das hélices,
2- manter a estrutura tridimensional das enzimas e das proteínas,
3- estabilizar a estrutura terciária das enzimas e das proteínas,
4- manter a hidratação das proteínas, ácidos nucléicos e macromoléculas,
5- estabilizar, manter e proteger a membrana citoplasmática e mitocondrial,
6- interferir no potencial de membrana citoplasmático (Em) e no potencial de membrana mitocondrial (Delta-psi mt)
7- interferir na homeostasia dos poros da membrana citoplasmática e mitocondrial,
8- interferir na velocidade das reações químicas intracelulares,
9- participar das reações de hidrólise,
10- veicular informações, etc....

Deste modo, as pontes de hidrogênio são fundamentais na fisiologia celular porque funcionam como solvente, soluto, estabilizador de estruturas, hidratante e veículo de informações para que as células consigam cumprir plenamente as suas funções e sejam consideradas normais.

Philippa Wiggins, pesquisadora australiana que estuda a água há mais de 40 anos, cita os estudos de Henderson de 1913 e os de Robinson de 1994 (Vedamuthu), de 1997 (Cho) e de 1999 que culminaram na seguinte descoberta: no citoplasma dos mamíferos coexistem dois tipos de água ou vida das células depende de dois tipos de água. Com finalidade didática vamos chamá-las de água A e água B.

Água A: Alta densidade, ativa e fluída por apresentarem pontes de hidrogênio fracas.
É uma água sem estrutura (desestruturada), com “clusters” pequenos, isto é, com o “n” do (H2O)n muito baixo.
É a água predominante nas células em estado de proliferação.
Densidade : 1,18 g/ml

Água B: Baixa densidade, inativa e viscosa por apresentarem pontes de hidrogênio fortes.
É uma água estruturada, com “clusters” maiores, isto é, com o “n” do (H2O)n elevado. É a água predominante nas células em estado quiescente, sem proliferação.
Densidade: 0,91 g/ml

Quando a célula passa do estado quiescente para o estado de proliferação, a água intracelular muda o seu comportamento físico-químico e passa de água de baixa densidade, inativa e viscosa (água B) para água de alta densidade, ativa e fluída (água A).
Quando aumenta a quantidade de água desestruturada no intracelular, as células sofrem profundas modificações metabólicas, profundas modificações das vias de sinalização, aumento progressivo da entropia que culmina na diminuição do grau de ordem-informação do sistema termodinâmico aberto que é a célula. Na evolução deste processo o grau de ordem-informação chega a um ponto crucial e a célula atinge um nível quase não tolerável de desestruturação um estado de “estresse de quase morte” (Felippe- fevereiro de 2008 , maio de 2003).
Ao chegar no “estresse de quase morte” desencadeiam-se mecanismos milenares de sobrevivência celular e as células começam a se dividir, entram em proliferação, entram em estado de mitose contínua, único modo de continuarem vivendo.

A célula normal quando agredida é capaz de colocar em ação todo potencial adquirido nos milhões de anos de planeta Terra para sobreviver. A células assim chamadas de “malignas”, são carne de nossa própria carne e portanto também são capazes de colocar em ação este potencial ativando todos mecanismos disponíveis de sobrevivência, isto é, a ativação de fatores e vias de sinalização que: 1- promovem a proliferação celular; 2- impedem a apoptose; 3- aumentam a geração de novos vasos , 4- aumentam a produção ou ativação das matrix-metaloproteinases (MMPs), etc...

O mecanismo principal que permitiu a sobrevivência do Homem no planeta foi justamente a capacidade de regeneração e cicatrização das lesões, feridas e traumatismos e estes mecanismos estão na intimidade dos genes tanto das células normais como das células “malignas”.

De fato, Dauer em 2005 mostrou que tanto a regeneração das feridas como o câncer são caracterizados por proliferação celular, remodelamento da matrix extracelular, invasão e migração celular e a formação de novos vasos e que tanto a regeneração tissular como o câncer utilizam mecanismos comuns de sinalização, entre eles o STAT 3 , o NF-kappa-B, o SAP/MAPK etc. (Felippe- fevereiro de 2004 , outubro de 2007 , abril de 2008).

Todos esses fatores têm sido utilizados pelas células normais desde os primórdios de nossa existência, quando ainda éramos apenas seres unicelulares. Foram estes fatores que nos permitiram sobreviver aos extremos de temperatura, à escassez de alimentos, ao ar rarefeito (hipoxia), aos traumatismos, às feridas e às fraturas (Felippe- fevereiro de 2004). As agressões com perigo de “quase morte” ativam as vias de sinalização e permitem que as células se protejam e sobrevivam aos insultos e às lesões.As células doentes e que chamamos de malignas são carne da nossa própria carne que estão lutando desesperadamente para sobreviver e elas sabem muito bem colocar em ação todas as artimanhas de sobrevivência (Felippe- maio de 2003 , maio de 2005 , outubro de 2007).

Desta forma, ao atingir o estado de “estresse de quase morte” desencadeiam-se os fatores de sobrevivência e as células começam a proliferar, a se proteger da apoptose, a criar novos vasos para se nutrir e a produzir enzimas para degradar a matrix extracelular e invadir territórios vizinhos.

Não são células malignas, não são células cancerosas, são apenas células doentes lutando para sobreviver. São células transformadas que precisam de cuidados, precisam de tratamento para que retornem às suas características iniciais em um fenômeno que se chama diferenciação celular (Felippe – maio de 2004, maio de 2005).

O pesquisador Prof. Dr. Waheed Roomi e seus colaboradores da Divisão de Câncer do Instituto Mathias Rath da Califórnia, brilhantemente mostraram que o emprego de uma mistura de substâncias nutricionais estruturadoras da água intracelular possui efeito anti tumoral em vários tipos de câncer tanto in-vitro como in-vivo: pulmão, próstata, mama, pâncreas, bexiga urinária, glioma, testículo, melanoma e fibrosarcoma .

Este efeito anti tumoral compreende a diminuição da proliferação celular, a diminuição da invasividade tumoral e da neoangiogênese e a abolição das metástases.

A mistura de substâncias nutricionais empregada por Roomi e colaboradores consistiu em : L-lisina:1000 mg , L-prolina:750 mg , L-arginina:500 mg , extrato de chá verde padronizado para 80% de polifenois:1000 mg , vitamina C como ácido ascórbico, ascorbato de magnésio e ascorbato de cálcio: 700 mg, N-acetilcisteina: 200 mg, selênio:30 mcg, cobre:2 mg , manganês:1 mg.

Para Roomi a mistura nutricional provoca inibição da atividade das matrix-metaloproteinases 2 e 9 ( MMPs 2 e 9 ou gelatinases A e B) o que fortalece a matrix extracelular do colágeno dificultando a invasão celular maligna e o desgarramento destas células, isto é, dificulta as metástases. Não explica como a mistura nutricional diminui a proliferação celular e não explica o mecanismo íntimo de ação do processo.

Cremos que o mecanismo íntimo de ação desta mistura nutricional é a estruturação da água intracelular a qual abole a proliferação celular o que faz cessar os mecanismos de sobrevivência celular. Uma vez que os mecanismos de sobrevivência celular não são mais necessários, cessa a ativação das MMPs e predomina o estado fisiológico normal de inibição das MMPs. Na presença da água estruturada tipo B, de baixa densidade, inativa e viscosa, ocorre inibição das MMPs.

Senão vejamos:

A prolina é aminoácido polar, isto é, hidrófobo e portanto estruturador da água intracelular. A vitamina C na sua forma ácida aumenta a quantidade de “clusters” da água citoplasmática. O magnésio, cálcio, selênio, manganês e o cobre como cátions bivalentes também possuem a habilidade de aumentarem as pontes de hidrogênio intracelular, sendo considerados fortes estruturadores da água intracelular. Os polifenois também são considerados fortes geradores de “clusters” de moléculas de água e portanto fortes estruturadores. (Chaplin-1999 e site ; Wiggins 1971,1972,1990 a,b,c , 1996, 1999, 2001).

Os aminoácidos arginina e lisina são considerados desestruturadores fracos, entretanto, a arginina aumenta a geração de oxido nítrico (NO) provoca vasodilatação e aumenta o aporte da mistura nutricional para a massa tumoral. A lisina é um estabilizador clássico das fibras colágenas.

Roomi já havia mostrado que o efeito da combinação de ácido ascórbico, lisina, prolina e epigalocatequina-galato aumentava a atividade anti invasiva da epigalocatequina-galato (EGCG) : 20 mcg/ml de EGCG passa a ter um efeito de 50 mcg/ml de EGCG quando combinado com os 3 elementos citados (Roomi-2004). Desta forma a inclusão de vários tipos de nutrientes permite a diminuição da dose de EGCG.

Os estudos de Roomio foram executados:
a – In-vivo: geralmente em camundongos sem timo pesando 21g que consumiam em média durante o estudo 20 mg da mistura por dia. O grupo controle recebia apenas a dieta regular sem a suplementação da mistura nutricional, e b- In-vitro onde foram empregadas linhagens de células tumorais humanas e quantidades crescentes da mistura estruturadora.

Estudo de toxicidade da mistura estruturadora da água intracelular

Roomi em 2003 estudou em ratos (250-300 g) a toxicidade da mistura de nutrientes (30, 90 ou 150 mg por dia por 7 dias) e não verificou efeitos adversos na histologia do coração, fígado e rins, assim como não notou elevação de vários tipos de enzimas, indicando que a mistura é segura. Quanto aos níveis de lipídeos no sangue observou significante diminuição da concentração de triglicérides e do colesterol total quando comparado com o grupo controle (Roomi-2007). Este fato pode ser explicado pela melhor estruturação da água citoplasmática das células hepáticas do animal intacto.

Câncer de pulmão

Utilizou-se células A549 do carcinoma pulmonar humano.

Os camundongos suplementados desenvolveram tumores significantemente menores que os não suplementados, isto é houve uma diminuição de quase 50% do peso tumoral. A histologia de ambos os grupos foi semelhante exceto que no grupo suplementado havia 20% de necrose da massa tumoral e a reação inflamatória consistia principalmente de macrófagos.

In-vitro, a mistura nutricional na dose de 500 mcg/ml não mostrou efeito significante sobre o crescimento do carcinoma pulmonar. Entretanto a dose de 1000 mcg/ml inibiu o crescimento tumoral em 80% em relação ao controle e também observou-se aumento da apoptose.

O efeito da mistura sobre as matrix-metaloproteinases (MMPs) foi dose dependente atingindo os 100% de inibição com a dose de 500 mcg/ml . A invasividade tumoral foi inibida em 64% com 100 mcg/ml e atingiu os 100% de inibição na concentração de 500 mcg/ml (Roomi- 2007).

Salientamos que as matrix metaloproteinases estão envolvidas no crescimento tumoral, neoangiogênese, invasão e metástases e que tumores altamente metastáticos como o carcinoma pulmonar secretam maiores quantidades de MMPs que tumores pobremente metastáticos . A prevenção da degradação da matrix extracelular inibindo a atividade das MMPs principalmente da MMP-2 (gelatinase A) e MMP-9 (gelatinase B) bloqueia a invasividade local e o desgarramento de células para locais distantes (metástase).

Ao cessar a proliferação celular predomina o estado fisiológico normal que é o de inibição das metaloproteinases.

Câncer de próstata

Utilizou-se linhagem humana do câncer de próstata dos tipos: sensível ao androgênio (LNCaP) e não sensível ao androgênio (DU145, PC-3).

A mistura nutricional, in-vitro, não possui efeito na dose de 50 mcg/ml, entretanto na dose de 500 mcg/ml apresenta significante efeito anti proliferativo. A proliferação da linhagem LNCaP é inibida em 80% com 100 mcg/ml. A proliferação da linhagem DU145 é inibida em 47% com 1000 mcg/ml. A inibição das MMP-2 e MMP-9 pela mistura é dose dependente nas linhagens PC-3 e DU145. Na linhagem LNCaP não se detectou a presença de MMPs.

A invasão das células DU145 e LNCaP através o Matrigel foi completamente inibida com 500 mcg/ml e a invasão das células PC-3 com 1000 mcg/ml (Roomi-Ivanov-2004).

Câncer de mama

Provocou-se tumor mamário em ratas com injeção intra-peritoneal de N-metil-N-nitroso-ureia.

A dieta com 0,5% da mistura nutricional conseguiu reduzir a incidência e o número de tumores mamários em 68,4%. De 10 ratas controle nove desenvolveram pelo menos um tumor, sendo 19 o total de tumores neste grupo. Em contraste, 5 ratas do grupo com o suplemento estavam isentas de tumor, sendo 6 o total de tumores neste grupo.

O tamanho tumoral (comprimento x largura x 0,5) foi reduzido em 60,5% , regredindo de 18,3 cm2 no grupo controle para 7,2 cm2 no grupo tratado.

O peso do tumor reduziu de 4,34g no controle para 0,97 no grupo suplementado, isto é, uma diminuição de 78%.

Histologia:

Os tumores desenvolvidos no grupo controle foram todos adenocarcinomas predominatemente ductais, semelhante ao que ocorre nas mulheres, em contraste com o grupo suplementado que incrivelmente foram todos fibro-adenomas, isto é, tumores benignos.

As ratas controles desenvolveram 30% de ulceração tumoral enquanto nas ratas suplementadas a ulceração atingiu apenas 10% delas (Roomi-Roomi-2004).

Câncer de pâncreas

Utilizou-se células do câncer de pâncreas humano linhagem MIA PaCa-2.
A mistura nutricional não inibiu a proliferação celular, in vitro, na dose de 10 mcg/ml, entretanto desta concentração em diante mostrou um efeito anti proliferativo dose-dependente com o máximo de inibição de 38% na dose de 1000 mcg/ml. A atividade da MMP-9, única metaloproteinase alterada, não suportou a dose de apenas 100 mcg/ml sendo totalmente inativada nesta baixa concentração. A invasividade foi inibida em 66%, 66%, 87% e 100% respectivamente com as doses de 10, 50, 100 e 500 mcg/ml. Não se observaram efeitos tóxicos (Roomi-2005).

Câncer de bexiga urinária

Utilizou-se células T-24 do câncer de bexiga humano.
A mistura nutricional inibiu totalmente a secreção de MMP-2 na dose de 500 mcg/ml e de MMP-9 na dose de apenas 100 mcg/ml. A invasão foi inibida de um modo dose dependente atingindo 95% aos 500 mcg/ml e 100% aos 1000 mcg/ml (Roomi-2006).

Câncer de cérebro : glioma

Utilizou-se células gliais humanas da linhagem A-172.
A MMP-2 única metaloproteinase existente na cultura, foi inibida de um modo dose dependente atingindo inibição total com 500 mcg/ml da mistura nutriente. A invasão tumoral foi completamente inibida com 1000 mcg/ml da mistura (100% de inibição no Matrigel). Somente na dose de 1000 mcg/ml a mistura nutricional afetou a proliferação do glioma :50% de redução (Roomi-2007) .

Câncer de testículo

Utilizou-se células NT 2/DT do câncer testicular humano.
A mistura nutricional não mostrou efeito significante na proliferação celular, entretanto inibiu totalmente a MMP-2 e a MMP-9 na dose de 100 mcg/ml. A invasão tumoral em Matrigel foi reduzida em 84% na dose de 50 mcg/ml. Não houve efeitos tóxicos (Roomi-2007).

Mesotelioma

Utilizou-se a linhagem MM de células MSTO-211 H, humanas.

O mesotelioma é um tumor altamente agressivo de difícil tratamento e associado ao asbestos. As matrix metaloproteinases produzidas pelas células tumorais desempenham papel chave na invasão tumoral e nas metástases, sendo importante a inibição destas enzimas para melhor tratar o paciente.

A MMP-2 e a MMP-9 foram inibidas de um modo dose dependente e a total inibição foi encontrada com a concentração de 500 mcg/ml. A invasão em Matrigel foi inibida em 27%, 36% e 100% respectivamente com concentrações de 50, 100 e 500 mcg/ml. Não houve toxicidade (Roomi- 2006).

Melanoma

Utilizou-se células A2058 do melanoma humano no camundongo sem timo.
A suplementação com a mistura nutricional diminuiu fortemente a proliferação tumoral em 57% , sem provocar efeitos tóxicos. Os estudos histológicos mostraram inibição da MMP-9, do VEGF (fator de crescimento do endotélio vascular) e do índice mitótico.

In-vitro a inibição da proliferação celular foi de 64% com 500 mcg/ml e a inibição da invasão celular no Matrigel foi de 95% com apenas 100 mcg/ml da mistura (Roomi-Ivanov-2006).

Em outro estudo investigou-se o efeito da mistura nutricional sobre as metástases pulmonares provocadas pela injeção de células B16F0 no camundongo fêmea C57BL/6.
A mistura estruturadora da água citoplasmática foi administrada com a dieta correspondendo a 0,5% da ração ou via intraperitoneal ou via intravenosa. As metástases foram computadas 2 semanas após a injeção tumoral.

A colonização pulmonar foi reduzida em 63% nos animais suplementados por via oral, em 86% nos animais que receberam a mistura via intraperitoneal e em 100% nos animais que receberam o tratamento via intravenosa (Roomi-Roomi-2006)

Fibrosarcoma

Utilizou-se células HT-1080 do fibrosarcoma humano.

In-vivo, a proliferação celular foi estudada no camundongo atímico e observou-se com o emprego da mistura nutricional uma significante diminuição da proliferação celular maligna, da secreção da MMP-9 e do VEGF.

A invasão celular no Matrigel foi inibida 100% na concentração de 1000 mcg/ml (Roomi-2006).

Conclusão

Utilizando sempre o mesmo tipo de estratégia, mistura de substâncias estruturadoras da água intracelular, Roomi conseguiu os mesmos efeitos terapêuticos em tumores de vários órgãos, de vários tipos histológicos e abrangendo os três folhetos fundamentais:endoderma, mesoderma e ectoderma, isto é, carcinomas e sarcomas. Estes fatos nos revelam mais uma vez que os tumores “malignos” têm uma base etiopatogênica comum.

Não podemos dizer que o câncer é uma gama enorme de doenças, câncer é uma entidade somente. São células normais que chegando a um “estresse de quase morte” começam a se dividir com o intuito de sobreviverem.

È o organismo do paciente que necessita de tratamento e não o tumor visível. Não é extirpando com a cirurgia, intoxicando com a quimioterapia ou queimando com a radioterapia que controlaremos células em sofrimento, células que tão somente querem sobreviver. Os ataques ferozes da terapêutica convencional, se não conseguirem matar todas as células assim chamadas de malignas, conseguirão tão somente selecionar um grupo de células com mecanismos de sobrevivência ainda mais aguçados. E as células vão continuar a proliferação e o “câncer” receberá um belo nome oncológico: câncer com resistência a múltiplas drogas ( em inglês “MDR cancer”).
A medicina é repleta de nomes e carente de conceitos fundamentais bioquímicos, fisiológicos, moleculares e atômicos.

A mistura nutricional composta de substâncias estruturadoras da água intracelular, interfere nos mecanismos íntimos de sobrevivência celular, transforma a caótica água tipo A (alta densidade, ativa e fluída) em água tipo B (baixa densidade, inativa e viscosa) o que retira a células da condição de “estresse de quase morte” e as impelem para um estado metabólico com alto grau de ordem-informação do seu estado termodinâmico o que permite a função bioenergética celular assumir o controle mitocondrial. As células param de se reproduzir, param de fabricar ou ativar as MMPs, param de fabricar VEGF, param a geração de NF-kappaB e de STAT-3 e voltam ao convívio social, morrendo naturalmente por apoptose, como acontece com as suas vizinhas não transformadas. Volta a reinar a baixa entropia e o alto grau de ordem-informação, volta a existir o equilíbrio: matéria-informação-energia. Volta a existir a vida tal qual nós a conhecemos.

“ MEDICINA BIOMOLECULAR é aquela que cuida do corpo humano com todo respeito bioquímico e fisiológico é aquela que cuida da : MATÉRIA - INFORMAÇÃO - ENERGIA”
JFJ

“Na arte de curar, deixar de aprender é omitir socorro. Retardar tratamentos esperando maiores evidências científicas é ser cientista e não médico”.
JFJ


2 comentários:

  1. ok, mas como consigo fazer as misturas dos componentes para obter essa agua milogrosa?
    onde e como posso encontrar ela ja pronta para o consumo? e como se chama essa agua, vende em farmacia de manipulação? é agua ozonizada? bom sou bem leiga nesse assunto, mas como busco sempre cura alternativas para o meu problema(tumor maligno de pâncreas em estagio IV)avançado, com invasão das arterias esplenica e mesentérica. Estou deseperada, desengada pelos médico.
    Por favor me ajude!Obrigada e fiquem com Deus.
    Meu e-mail:roseli_novajardim@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não perca a fé!!!!!Deus pode curá-la, pois ele é muito maior que o seu câncer.

      Excluir

Deixe o seu endereço eletrônico pra que eu possa enviar resposta.