SOS Mama - Doando Peito para a Vida - projeto social







Em 2006, minha irmã Fátima, quando me acompanhar na segunda sessão de quimioterapia, falou vagamente em fazer prótese mamaria artesanalmente para doar. No final de 2007, soube que no Hospital do Câncer – Aristides Maltez - em Salvador, um grupo de mulheres fabricava prótese artesanalmente e doava. Telefonei para o Hospital e fui bem recebida pelas senhoras do Gama - Grupo de apoio a Mulheres Mastectomizadas: Irma Hellwig, Norma Asta, Hildegard Keller, Suely Cajaíba, Glória, Fátima e outras. Recebi todas as instruções necessárias para confeccionar as próteses que são usadas dentro do sutiã dando o formato do seio. Mas elas me disseram que o maior empecilho seria a aquisição do polietileno. Matéria prima de suma importância para o preenchimento das próteses que, só vendido a pessoa jurídica e em grade quantidade. Elas tem um fornecedor, eu tinha que encontrar o meu.
.



A prótese pronta e o polietileno ao lado, usado no preenchimento.

Em casa escrevi um pequeno texto e colei nas comunidades da Braskem depois de algumas horas recebi a doação do politeleno do Grupo Braskem que, contactou com o senhor Nelson Luís, proprietário da empresa, POLYNOR EMBALEGENS LTDA, bairro do Tomba em Feira de Santana que, iniciou o fornecimento do material.
Então parece que, Deus já havia escolhido as pessoas certas para trabalhar nesse projeto. Todos contribuíram com o nome, o slogan, a arte, e todo o material necessário até a confecção. Amigos do da cidade e virtuais como: Lizete, Gil, proprietária da Empresa Lá Grafic, Jayme de Souza Filho, Betânia Knoedt, Josefa, presidente e voluntária da AAPC, Ester Aires, diretora da Biblioteca municipal, Tv Subaé, professora Tânia Freitas do Colégio Visão,
Josué, proprietário da Clínica dos Livros, empresa feirense, ao tomar conhecimento do projeto pela televisão disse, que doaria os cartazes. Ubirajara Alves, pai de minhas filhas, Sr. Alberto Souza Monteiro, proprietário da Montey Plastic. Iniciamos a confecção das próteses em minha residência.
O conhecimento das confecções das próteses lentamente vai chegando até as mulheres mastectomizadas.

O trabalho consiste em riscar, cortar, alinhavar, costurar e encher. Nós nos encontrávamos uma vez por mês, riscávamos, cortávamos, alinhavávamos e levávamos o resto para terminar cada uma na sua casa: eu e Josefa



Polietileno


Depois levávamos as próteses para as clínicas oncológicas. Com o tempo foi se formando uma lista de espera organizada pelas encarregadas da quimioterapia.

O material utilizado por nós:  polietileno, forro que pode ser qualquer tecido leve, malha PV cor clara, espuma de meio centímetro e linha. As próteses são fabricadas em oito tamanhos desde 36 a menor até a 52, a maior. As mais saídas são 40 e 44. È de acordo com o número do sutiã. A cada dois meses entregamos 30 próteses - 10 em cada instituição.


Vários tamanhos